Espectáculos

A MENINA QUE VENDIA FÓSFOROS RED CLOUD TEATRO DE MARIONETAS

Era uma vez o primeiro dia do ano
Num lugar onde fazia muito frio
Era uma vez uma menina que vendia fósforos
Num lugar onde fazia um frio de rachar
Era uma vez uma menina ausente
Porque com a sua mente
Viajou para outro lugar
E quis lá ficar.

Na última noite do ano, uma menina aquece-se como pode, riscando os fósforos que não vendeu. O primeiro fósforo traz-lhe a imagem de uma braseira, onde haveria de se aquecer. O segundo fósforo fá-la sentir os aromas de uma mesa farta, como nunca houve em sua casa. O terceiro faz surgir na escuridão uma incrível árvore de Natal.

Ao riscar os últimos fósforos, a pequena vendedora recorda-se da avó, de quem já tem muitas saudades.

A partir do conto de Hans Christian Andersen, A Menina que vendia fósforos  tem muito a ensinar sobre a desigualdade e o poder da imaginação, como  alternativa ao sofrimento e solidão.