Espectáculos

EM PARTICULAR CARLÃO

par·ti·cu·lar
adjectivo de dois géneros

  1. Que pertence a um só, que é próprio de certas pessoas ou de certas coisas.
  2. Peculiar, especial.
  3. Individual.
  4. Singular.
  5. Extraordinário.
  6. Privado.
  7. Reservado.
  8. Íntimo.

substantivo masculino

  1. O que é particular.
  2. Circunstância especial.
  3. O que é próprio do génio de cada um.
  4. Singularidade, balda, mania.
  5. Indivíduo que não é empregado público.
  6. Criado que trata do serviço pessoal de alguém.
  7. Qualquer indivíduo, um desconhecido.
  8. [Brasil] Conversa privada.

“particular”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

 

O que tem um auditório que um espaço livre não tenha?

Portas e paredes, para começar: por detrás destas costuma contar-se segredos e partilhar histórias mais privadas, ao contrário do que se faz na praça pública, e Carlão não deixa muitas dúvidas em relação à sua predileção pelo calor desse género de salas.  Mas para além da intimidade e cumplicidade que os espaços fechados e porventura mais limitados automaticamente proporcionam, Em Particular as canções dos álbuns Quarenta e Entretenimento? perspetivam horizontes diferentes dos presentes na sua génese, assim que largam amarras e viajam do continente digital para o analógico.

Com arranjos “à medida”, os temas ganham balanço e dinâmicas distintos e a bateria, as teclas, o baixo e a guitarra assumem maior vitalidade e destaque na reinvenção do reportório do artista.

 

Fotografia de Nash Does Work

 


CARLÃO Filho de pais Cabo Verdianos, Carlos Nobre Neves nasceu em Angola, tendo viajado para Portugal no mesmo ano do seu nascimento, 1975.

Sob o pseudónimo Pacman, entre 1993 e 2009 foi um dos vocalistas e o principal letrista dos DA WEASEL, a mítica banda de Almada.

Nos anos noventa escreveu sobre música para o jornal Blitz e na década de 2000 assinou crónicas na revista Domingo do Correio Da Manhã, vindo mais tarde a ser responsável pela coluna “A Impossibilidade Das Mulheres” que transitou da revista “Playboy” para a congénere “GQ”.

Após o término dos DA WEASEL, gravou dois discos com OS DIAS DE RAIVA (em 2010 e 2011), banda trash/hardcore, e logo a seguir embarcou no projecto ALGODÃO, viagem intimista onde a música serviu de pouco mais do que suporte para textos de cariz bastante pessoal, quase sempre ditos. Com ALGODÃO gravou também dois discos, em 2011 e 2012.

No final de 2013 entra em estúdio com Fred Ferreira e Regula, e, sob o seu nome de sempre – Carlão – grava o disco 5-30, que é editado em 2014 e marca um regresso a sonoridades mais próximas do Hip-Hop e daquilo que tinha feito com os DA WEASEL, ao mesmo tempo que devolve a sua voz ao circuito de concertos em palcos grandes. Nesse mesmo ano começa a gravar Esquadrão Do Amor, programa televisivo do Canal Q criado e apresentado por Ana Markl, onde faz parte do painel de comentadores juntamente com Cláudio Ramos e São José Correia/Marta Bateira.

Em 2015, ano em que completa quarenta anos de idade, Carlão edita um álbum em nome próprio justamente intitulado Quarenta, e o sucesso do primeiro single Os Tais, bastante tocado pelas rádios mais ouvidas do país, torna-o imediatamente requisitado para uma intensa agenda de concertos.

No primeiro trimestre de 2016, lança (em edição digital) o EP Na Batalha com o tema-título como single, sendo este o mote para a sua digressão nesse ano. Juntamente com Boss AC criou o tema-genérico do programa de cariz sociológico E Se Fosse Consigo, da autoria de Conceição Lino, que estreou no mês de Abril no canal televisivo SIC e foi líder de audiências, tendo granjeado vários prémios e menções honrosas na comunicação social.

Em 2017, desenvolve Livres & Iguais, um projeto pedagógico de promoção da Interculturalidade, em parceria com a empresa Betweien, cristalizado num livro que já vai na sua segunda edição, tendo recebido para a mesma o selo de qualidade e reconhecimento do Plano Nacional de Leitura.

Após desvendar Agulha no Palheiro e Viver Pra Sempre ainda em 2017, Carlão apresenta em 2018 o single Contigo (produzido por Branko e Pedro), antes de finalmente editar o álbum Entretenimento?.

O mais recente disco conta com várias participações de relevo, tais como Manel Cruz, António Zambujo, Slow J, Holly, Nelson Correia e Edi Ventura. Depois de VHILS ter assinado a capa de Quarenta, coube agora a responsabilidade do design da capa de Entretenimento? a Miguel Januário aka ±MAISMENOS±

Ainda em 2018, colabora com os Xutos & Pontapés em Duelo Ao Sol, tema principal da banda sonora do filme Linhas de Sangue e junta-se a Moullinex e a Silk ( Cais Sodré Funk Connection ) para assinar a música do genérico da novela da SIC Alma e Coração.

Já em 2019, a música Entretenimento? ganha agora uma nova dimensão num vídeo com autoria de Fernando Mamede, realizador que integra a equipa da Krypton Films.

Partindo de uma critica sarcástica aos códigos da sociedade atual e ao nosso papel na mesma, o músico veste a pele do personagem maior do mundo do entretenimento, o palhaço.